Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog anuncia vencedores da 38ª edição

premio-vladimirA Comissão Organizadora do Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos escolheu na manhã desta sexta-feira (07/10) os vencedores da sua 38ª edição.

O PVH é a única distinção jornalística do país com júri aberto ao público. Há três anos, a sessão é realizada na Câmara Municipal de São Paulo e transmitida ao vivo pelo site da Casa. Nessa etapa final, os jurados são representantes das entidades que formam a Comissão Organizadora do prêmio e escolhem os vencedores entre os finalistas. Antes dessa etapa, todas as reportagens inscritas são avaliadas por três jurados em cada categoria.

Os vencedores do prêmio Vladimir Herzog 2016 são:

Arte

Vencedor
Brum (Rodrigo Serra Brum Machado)
“Monstro”
Jornal Tribuna do Norte – Natal/RN

Menção Honrosa
Samuca (Samuel Rubens de Andrade)
“Eu vi um Pokémon”
Diário de Pernambuco – Recife/PE

Fotografia

Vencedor
André Lucas Almeida (André Lucas de Almeida)
“Repressão Policial contra secundaristas”
Brasil Post – São Paulo/SP

Menção honrosa
Ricardo Oliveira (Sergio Ricardo de Oliveira)
“Piaçabeiros e Piabeiros, às margens do Rio Negro, das leis trabalhistas e dos direitos humanos”
Jornal Amazonas Em Tempo – Manaus/AM

Internet

Vencedora
Natalia Viana (Natalia Viana Rodrigues)
“Especial 100”
Agência Pública – São Paulo/SP

http://apublica.org/100

Menção Honrosa
Juan Torres (Juan José Torres Gilardi)
“O Silêncio das Inocentes”
Correio – Salvador/BA

http://www.correio24horas.com.br/blogs/silenciodasinocentes/

Menção Honrosa
Elvira Lobato (Elvira Lobato Araújo)
“TVs da Amazônia – Uma realidade que o Brasil desconhece”
Agência Pública – Rio de Janeiro/RJ

http://www.apublica.org/tvsdaamazonia/

Jornal

Vencedor
Leonencio Nossa (Leonencio Nossa Junior)
“Terra Bruta”
O Estado de S. Paulo – Brasília/DF

Menção honrosa
Vitor Hugo Brandalise (Vitor Hugo Brandalise Junior)
“Por cima, não: ‘acima’”
O Estado de S. Paulo – Caderno Aliás – São Paulo/SP

Rádio

Vencedora
Michelle Trombelli (Michelle de Bastos Trombelli)
“Especial 10 anos – Lei Maria da Penha”
Rádio BandNews FM –  São Paulo/SP

Revista

Vencedora
Cristine Kist
“O bandido está morto e agora?”
Revista Galileu – São Paulo/SP

Menção Honrosa
Maria Clara Nicolau Vieira
“Pequenos e invisíveis: a mortalidade das crianças indígenas”
Revista Crescer – São Bernardo do Campo/SP

Documentário

Vencedora
Débora Brito (Débora Teles de Brito)
“Mulheres do Zika”
TV Brasil – Brasília/DF
Luana Ibelli (Luana Fernanda Ibelli)

Menção Honrosa
Racismo na Escola”
TV Brasil – São Paulo/SP

Reportagem de TV

Vencedora
Monica Pinheiro (Monica Maria Pinheiro Villar de Queiroz)
“Chacina em Osasco”

TV Globo – São Paulo/SP

Menção honrosa
Daniel Motta (Daniel Paulino Mota)
“Rota da Castanha: Exploração Sem Limites”
TV Record – São Paulo/SP

 

A Cerimônia de Premiação será realizada no dia 25 de outubro, no Tucarena, em São Paulo, a partir das 19h. Além das reportagens premiadas neste ano, serão homenageados os jornalistas Elio Gaspari e Claudio Abramo (in memoriam). Antes do evento, a partir de 14h, os jornalistas premiados participam da Roda de Conversa, um bate-papo dirigido principalmente aos estudantes e conduzido pelos jornalistas Angelina Nunes e Paulo Oliveira. A ideia da atividade é que os jornalistas revelem ao público o processo de construção da reportagem premiada.

Ao todo, nesta edição, foram inscritos 567 trabalhos nas categorias Arte, Fotografia, Internet, Rádio, Revista, Jornal, Documentário – TV e Reportagem – TV. Um júri técnico composto por 24 pessoas (três para cada área) realizou uma seleção preliminar, elegendo os três melhores de cada categoria.

Sobre o Instituto Vladimir Herzog

Criado em 25 de Junho de 2009, o Instituto Vladimir Herzog tem a missão de contribuir para a reflexão e produção de informações que garantam o direito à vida e o direito à justiça. Sua fundação se inspirou na trajetória de vida do jornalista Vladimir Herzog, assassinado em 1975 pela ditadura, bem como nos principais valores ligados a essa trajetória: democracia, liberdade e justiça social. Tendo como bandeira a frase de Herzog “Quando perdemos a capacidade de nos indignarmos com as atrocidades praticadas contra outros, perdemos também o direito de nos considerarmos seres humanos civilizados”, o Instituto é uma organização sem fins lucrativos, com neutralidade político-partidária.  Mais informações podem ser encontradas no endereço www.vladimirherzog.org.