LesteMais.com | Aumento da violência doméstica e empregabilidade estão relacionadas, alerta juíza durante debate na Câmara

Aumento da violência doméstica e empregabilidade estão relacionadas, alerta juíza durante debate na Câmara

O debate “Os Desafios da Mulher Moderna” realizado na noite desta terça-feira (7) no plenário da Câmara Municipal tratou de temas diversos, envolvendo principalmente as dificuldades enfrentadas pelas mulheres nos dias atuais. Além da violência doméstica, tópico que ganhou destaque durante o encontro, os participantes falaram da saúde da mulher, dos preconceitos enfrentados e também dos desafios na sociedade e no mercado de trabalho.

Durante o bate papo a juíza da Vara Criminal de Itabira Cibele Mourão, fez importantes considerações a respeito das dificuldades enfrentadas pelas mulheres que são vítimas de agressões dentro de suas próprias casas. Em sua opinião, o maior desafio destas mulheres é enfrentar o medo e denunciarem seus agressores à justiça. Segundo ela, mais de 13,5 milhões de brasileiras já sofreram algum tipo de agressão por um homem, sendo que 31% ainda convivem com a pessoa.

Em Itabira, a realidade também preocupa. Trazendo dados recentes, a juíza informou que são realizadas cerca de 20 medidas protetivas por semana. “Com isso observamos que a realidade bate em nossas portas”, resumiu a magistrada.

Em sua participação, Cibele Mourão chamou a atenção para um dado interessante. Segundo ela, uma pesquisa realizada pelo Instituto Avon, apontou que o desemprego interfere nos números de violência doméstica. No entanto, o que chama a atenção, é que justamente o desemprego contribui com a diminuição das agressões domésticas.

“As últimas pesquisas, encabeçadas pelo instituto Avon indicam que num primeiro momento o desemprego faz com que o número de violência doméstica aumente, mas com o passar do tempo se estabilizando a quantidade de desemprego este número cai, o que indica que, o homem, assim que perde o empoderamento sobre a mulher e permanece mais em casa, podendo dialogar e tratar as relações domésticas com um pouco mais de afinco, a quantidade de violência doméstica cai drasticamente”, destacou a juíza.

Participantes- Além de Cibele Mourão, contribuíram com o debate a superintendente da Fundação Cultual Carlos Drummond de Andrade (FCCDA), Martha Mousinho Gomes Barbosa; o médico ginecologista Virgilino Quintão; a psicóloga, personal coaching e diretora de negócios da mulher na Câmara da Mulher Empreendedora da Acisb Santa Barbara, Tatiana Del Caro; a líder comunitária do bairro Santa Ruth Maria das Graças Santos e a advogada e assessora parlamentar Rosilene Félix, que mediou o debate.

A mesa de debates foi uma iniciativa da Fundação Cultural e também do gabinete do vereador Paulo Soares Souza (PRB), com o apoio do presidente Neidson Dias Freitas (PP).

comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *