Caridade Integral

Paiva Netto

Meditando sobre o imenso valor da Caridade, ressalto que não basta dar o pão material, que depois pelo corpo é lançado fora… Necessário se faz também atender às carências do Espírito, de modo que ele, mesmo quando reencarnado, descubra as extraordinárias qualidades que, como Templo do Deus Vivo, traz dentro de si próprio. Assim aprenderá a empregá-las com pleno conhecimento das Leis Divinas. E saberá livrar-se dos erros, cuja origem — para os que têm “olhos de ver e ouvidos de ouvir” — acha-se no campo espiritual. Espírito enfermo, matéria enferma. Mente perturbada, corpo afetado. A solução é psicossomática. Pensamento é força realmente. Escreveu Adelaide Coutinho (1905-1975 aprox.),pela psicografia do médium Francisco Cândido Xavier: “Se não lapidarmos o coração, sobrevém, para nós, a tempestade. São os votosmalcumpridos, as promessas olvidadas, astarefas no abandono, os compromissos relegados ao esquecimento e a ânsia doentiade colher sem plantar e auferir lucros semesforços, na grande jornada da matéria,em que, juntos de nossos amigos e adversários, tanto poderíamos realizar em nossopróprio proveito”, completadas por estas de Emmanuel (Espírito): “O desânimo absorve-te o coração? Lembra-te deque o tédio é um insulto àfraternidade humana, porque a dor e a necessidade, atristeza e a doença, a pobreza e a morte não se achamlonge de ti”.

Eis por que a Legiãoda Boa Vontade não cuida somente do corpo,mas também do Espírito. De outra forma, há sempre o perigo de se promover a vagabundagem, coisa que absolutamente não fazemos. Como dizia o abade, poeta e tradutor francês Jacques Delille(1738-1813), “a Caridade que se faz por meio de esmola é uma forma de conservar a miséria”.

Que ninguém, todavia, se furte ao dever de ajudar. Amanhã poderá situar-se entre os suplicantes, necessitado urgente da esmola do que passa… “Hodiemihi, crastibi.” (Hoje, eu;amanhã, você.)

Alimente-se, pois, o corpo combalido, mas que se lhe salve a Alma com o Evangelho e o Apocalipse de Jesus, em Espírito e Verdade, à luz do Novo Mandamento, de forma que o ser humano, conhecendo e vivendo as Leis de Deus, livre de sectarismos e fanatismos que tanto têm prejudicado as religiões no mundo, descubra que, sendo Templo do Deus Vivo, como ensinava Jesus, pode libertar-se da miséria. Descoberta a riqueza interior, a exterior, mais dia menos dia, surgirá. Analisando o trabalho de grandes pensadores, escreveu Henry Thomas (1886-1970) a respeito dofilósofo e físico judeu-árabe Maimônides (1135-1204), conhecido como o Aristóteles da Idade Média: “(…) É especialmente famoso pelos seusOito Degraus de Ouroda Caridade. Neste ensaio, expõe que há uma diferença entre dar e dar.Podeis dar com a mão, opensamento e o coração. O primeiro e mais baixo degrau na escalada Caridade é dar com relutância. O segundo é dar insuficientemente. O terceiro é darsomente quando se é solicitado. E, assim pordiante, até chegarmos ao oitavo degrau. Este é impedir a pobreza para evitar a necessidade da caridade. Este, conclui ele, é o maisalto degrau e o cume da escada de ouro daCaridade”.

Entretanto, não se deve restringir a Caridade ao louvável serviço da assistência material. Caridade é muito mais. Dirige-se ao Espírito do ser humano. Mesmo que os governos do mundo resolvessem toda a problemática social de seus povos, a Caridade seria necessária. Ela é, como prega a Religião de Deus, do Cristo e do Espírito Santo, Amor. Deus é Amor. Ninguém vive sem Ele, nem mesmo os Irmãos ateus…

José de Paiva Netto, jornalista, radialista e escritor.

paivanetto@lbv.org.brwww.boavontade.com