Representantes do HNSD vão à Brasília em busca de emendas parlamentares e credenciamento de leitos SUS

Para garantir uma boa prestação em saúde, sobretudo para os pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS), é necessário pleitear recursos e apoio no Ministério da Saúde e nos legislativos Federal e Estadual. Pensando nisso, representantes da Mesa Administrativa e o provedor do Hospital Nossa Senhora das Dores (HNSD), Vaquimar José Vaz, estiveram em Brasília na primeira quinzena de setembro.

Durante a viagem, diversas pautas foram apresentadas aos gestores da saúde brasileira. No Ministério da Saúde foi consultada a margem para aporte financeiro por meio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), assim como a possibilidade de credenciar mais dez leitos SUS no HNSD.

O Secretário de Atenção à Saúde, Francisco de Assis Figueiredo, responsável por receber a comitiva itabirana, afirmou que não existe novos recursos para serem aplicados na saúde neste momento. Porém, de acordo com Vaquimar Vaz, a expectativa de que as solicitações do hospital sejam atendidas são bastante positivas.

Além disso, os itabiranos se reuniram com senadores e deputados federais para verificar a liberação das emendas parlamentares prometidas em 2017 e apresentar ofícios pleiteando recursos para o ano de 2018. Anualmente, os meses de setembro e outubro são cruciais para que as instituições de saúde solicitem aos parlamentares verbas e assegurem a sua liberação dentro do orçamento previsto para o próximo ano.

Este slideshow necessita de JavaScript.

“Valendo-nos do jargão popular ‘quem não é visto não é lembrado’, é de suma importância estar nos bastidores dos responsáveis pela liberação de recursos financeiros. Estivemos no gabinete do vice-presidente da Câmara dos Deputados, Fábio Ramalho (PMDB/MG),onde transitam todos os parlamentares e,com tempo hábil,é possível ter acesso a diversas informações e discutir assuntos importantes”, contou Vaquimar Vaz.

Após apresentarem as suas solicitações, os representantes do HNSD pretendem retornar à Brasília e ao Ministério da Saúde para acompanhar o andamento dos processos.