Programa Hidrológico Internacional

Nivaldo Ferreira dos Santos*
Trago hoje para conhecimento e reflexão de nossos leitores e nossas leitoras um dos temas discutidos no Seminário Internacional “Compartilhando águas: do local ao global”, realizado pelo Instituto Espinhaço no município de Ipatinga nos dias 20 e 21 de fevereiro de 2018 – apresento a seguir um resumo da palestra “Programa Hidrológico Internacional da Unesco e as Estratégias Globais para a Pauta da Água”, que foi proferida por Massimiliano Lombardo, Oficial de Meio Ambiente da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) no Brasil:

* Ele informou sobre a publicação “Relatório Mundial das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento dos Recursos Hídricos”, documento que é publicado anualmente com foco em diversas questões estratégicas sobre os recursos hídricos e traz uma visão muito abrangente que oferece um quadro geral do estado dos recursos de água potável no mundo, e visa a fornecer a tomadores de decisão as ferramentas sustentáveis a serem utilizadas para nossa água;

* O palestrante comentou também sobre o “Programa Hidrológico Internacional”, que busca a mobilização e a cooperação internacional para fortalecer a integração entre as políticas públicas e as instituições científicas e acadêmicas, com o objetivo de desenvolver ações de capacitação e conexão institucional por meio de grupos de trabalho relacionados aos programas globais e discussões sobre o compartilhamento da água, que foi o tema principal do 8º Fórum Mundial da Água, realizado em março aqui no Brasil, além de colaborar para o cumprimento dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, em especial o Objetivo número 6, que diz respeito ao acesso à água e ao saneamento básico para todos.

Podemos observar que cada vez mais nossos municípios e também nós, enquanto cidadãos, precisamos cuidar das nossas águas, das nascentes, de todos os recursos hídricos e dos serviços de abastecimento de água, esgotamento sanitário, destinação adequada e tratamento dos resíduos, bem como das estruturas de drenagem de nossas vias urbanas e estradas para que seja possível um futuro melhor para as atuais e futuras gerações, de forma a garantir nossa sobrevivência e a melhoria na qualidade de vida para todos. Portanto, façamos a nossa parte!

HOMENAGENS
Recebi há alguns dias mais algumas contribuições do nosso amigo e leitor José da Costa Dias, o Zezito, do Centro. Desta vez ele sugere homenagear famílias que tiveram importante atuação na história recente do município de Itabira: a Família Ataíde Guerra e a família Drummond de Andrade – confiram:

* Em um dos textos Zezito começa citando o Senhor João Carlos Ataíde, que “foi casado com Maria Perpétua Martins Guerra, residente na casa do Mestre Emílio Pereira Magalhães, localizada no Centro Histórico e Cultural de Itabira, mais exatamente na Rua Tiradentes, número 29”. Na sequência ele informa que “o Senhor João Carlos dispôs de sua Fazenda do Cedro, onde era vizinho do Senhor Mário Lage, para adquirir a casa do Mestre Emílio. Como empreendedor que era, cedeu parte do seu terreno para que fosse aberta uma passagem ligando o Centro Histórico e Cultural com o Bairro Pará, dando origem ao Beco do Calvário.”. Zezito conta ainda que “o Senhor João Carlos, que era natural de Antônio Dias e viveu em Itabira, deixou uma numerosa família, com 10 filhos, dentre os quais se destaca a professora Carmem Ataíde Guerra, conhecida como Dona Carmita, que teve quatro filhos: Marcelo Antônio Peixoto de Melo, Marcial Antônio Peixoto de Melo, Marcos Antônio Peixoto de Melo e Maristela Antônio Peixoto de Melo. Marcelo se tornou gerente do Banco Mercantil em Salvador e Manaus; Marcial se destaca ainda nos dias de hoje na função de advogado; Marcos se tornou engenheiro agrônomo e foi Secretário-Adjunto de Estado da Agricultura, tendo contribuído para a construção do Parque de Exposições de Itabira junto ao então prefeito Virgílio Gazire, além de ter participado das primeiras ações com vistas à organização fundiária do Bairro Pedreira; Maristela se destacou como professora de Inglês e Português em Itabira e Belo Horizonte, inclusive no Colégio Tiradentes da Polícia Militar de Minas Gerais.”. E o Zezito conclui assim esse primeiro texto: “Aí está mais uma modesta contribuição, que sempre tenho o prazer de encaminhar para divulgação em sua coluna, com minha gratidão e a satisfação de lembrar e valorizar importantes personagens da grande história desta nossa querida Itabira…”;

* No outro texto, Zezito inicia assim: “Começo lembrando o Senhor Waldemar de Paula Andrade, que foi casado com Dona Bia Andrade – Waldemar foi dentista e trabalhou na Coletoria Federal, além de ter sido proprietário do Hotel Itabira, que funciona em um prédio histórico onde, inclusive, tem placa dos ‘Caminhos Drummondianos’ com poema de Carlos Drummond de Andrade. Anos mais tarde, o Hotel Itabira passou à responsabilidade do filho de Waldemar Andrade, Hugo Andrade, juntamente com sua esposa, Dona Terezinha. Atualmente funcionam no mesmo prédio o Hotel Itabira, com 32 apartamentos, e o Restaurante Vide Gula, muito frequentados pelos turistas e também por itabiranos, sendo esses empreendimentos administrados pelos netos de Waldemar Andrade. Além disso, sou fã de toda a família e tenho muitos motivos para isso, em especial por ter estudado em minha infância e adolescência com a professora Maria Rosa Andrade e com Zélia Ribeiro. E ainda nos dias de hoje tenho a felicidade de conviver com boa parte dessa família, uma vez que moro aqui na região do Centro Histórico de Itabira e tenho contato constante com os membros da família que aqui vivem e trabalham.”.
É isso aí: mais uma vez, está dado o recado do Zezito com essas belas e merecidas homenagens. Até breve!

* Nivaldo Ferreira dos Santos é Mestre em Administração Pública, Professor, Líder Comunitário e Servidor Público

comentários