Recicla, Itabira!

Nivaldo Ferreira dos Santos*

O principal assunto do 24º Congresso Municipal das Associações de Moradores de Itabira, realizado em 28 de julho de 2018, foi a reciclagem – podemos dizer, inclusive, que este foi o tema das duas palestras que fizeram parte do evento e até mesmo das falas dos componentes da mesa de abertura do encontro. Confiram os detalhes a seguir.

A “composição da mesa” para abertura do Congresso contou com as seguintes pessoas: Rosimeire Álvares de Souza, presidente da Interassociação, deu as boas vindas a todos; Jovelindo de Oliveira, vereador que representou a Câmara Municipal, falou sobre a necessidade de união dos diretores de cada entidade para alcançar seus objetivos; Antônio dos Santos Sobrinho, presidente do Conselho Fiscal da Interassociação, agradeceu a presença de todos; Marcos Antônio Domingues representou o deputado Raimundo Nonato Barcelos (Nozinho) e justificou a ausência do deputado devido a um problema de saúde; José Romão Andrade, vice-presidente da Interassociação, agradeceu e desejou um bom Congresso para todos; Maria Marli de Oliveira Martins Rosa, secretária municipal de Assistência Social, representou o prefeito e comentou sobre a satisfação de ver vários jovens e novas lideranças entre os diretores de entidades presentes ao Congresso.

A palestra sobre “Educação Ambiental” foi apresentada por Carolina Barcelos Silva Andrade, engenheira ambiental, e a Fernanda Margarida, jornalista, funcionárias da mineradora Vale. Elas falaram sobre “Resíduos Sólidos” e “Consumo Consciente”, abordando conceitos como “obsolescência programada” e “pegada ecológica”, além de trazer para os participantes do Congresso informações sobre campanhas da ONU (Organização das Nações Unidas), citando slogans como: “Sete bilhões de sonhos – Um Planeta – Consuma com moderação” e “Consuma para viver, não viva para consumir”.

Durante a apresentação elas citaram também alguns dados – por exemplo: “o Brasil tem atualmente cerca de 207 milhões de habitantes e 220 milhões de celulares ativos”; “em 2010 menos de 2% dos resíduos sólidos gerados no Brasil eram reciclados”; “cerca 1 milhão de garrafas plásticas são consumidas por minuto no mundo”; “mais de 500 milhões de canudinhos de plástico são consumidos por dia nos Estados Unidos da América”.

Outro conceito apresentado por elas foi a proposta de mudança de hábitos chamada de “5Rs”: Repensar hábitos de consumo e descarte; Reduzir o consumo, preferindo produtos mais duráveis ou que usem menos embalagens; Recusar produtos prejudiciais à saúde e ao meio ambiente; Reutilizar produtos, aumentando sua vida útil; Reciclar sempre que for possível para reduzir o consumo de água, energia e matérias-primas, além de gerar trabalho e renda.

As palestrantes citaram exemplos de iniciativas que estão sendo tomadas para tentar reverter os problemas gerados pela destinação inadequada de resíduos: na Holanda está sendo usado plástico reciclado para fabricar asfalto; a União Europeia aprovou normas prevendo que dentro de alguns anos todas as embalagens de plástico usadas nos países do bloco terão que ser recicláveis; no Rio de Janeiro (Brasil), há poucos dias, foi aprovada uma lei proibindo canudinhos de plástico.

Ao final da palestra sobre “Resíduos sólidos e consumo consciente”, Geraldo Martins, um dos líderes comunitários presentes, lembrou a relação desse tema com o Plano Municipal de Saneamento Básico e, em seguida, eu apresentei a proposta de acelerar a implantação da Central de Resíduos Sólidos de Itabira, prevista na LOC da Vale, aprovada em 18/05/2000. Várias pessoas comentaram informalmente sobre o potencial de geração de negócios em torno dessa atividade e a possibilidade de Itabira ter a reciclagem de materiais como mais uma alternativa para a diversificação econômica.

O professor José Carlos Fernandes Lima apresentou a outra palestra do Congresso, com o tema “Organização das Associações”, promovendo uma reciclagem dos conhecimentos dos participantes das associações de moradores sobre o funcionamento das entidades, suas obrigações e outras questões relacionadas.

 

POTENCIAIS DE ITABIRA

Recebi recentemente mais uma contribuição do nosso amigo e leitor José da Costa Dias, o Zezito, do Centro. Desta vez ele comenta sobre potencias alternativas para a diversificação econômica de Itabira, destacando nossa área rural e a necessidade de conservar as nascentes e cursos d’água, as possibilidades de exploração econômica a partir da agricultura, com plantio de cana-de-açúcar e outras culturas que possam ser utilizadas para produzir combustíveis menos poluentes que o petróleo, como álcool e biodiesel e também a possibilidade de usar matérias-primas das nossas áreas rurais para fabricar tijolos, louças, cerâmicas e produtos artesanais, além da produção de alimentos de origem vegetal, principalmente por meio da agricultura familiar, e de alimentos de origem animal, incluindo produtos mais elaborados na área de alimentação, como biscoitos, pães, bolos, queijos e outros.

Zezito lembra que Itabira tem atualmente quase 120.000 habitantes, um grande número de pessoas em busca de novas alternativas de trabalho, escolas de todos os níveis de ensino, hospitais e clínicas que atendem pessoas de várias cidades da nossa região, ligação asfáltica com todos os municípios vizinhos, uma malha ferroviária subutilizada e estruturas disponíveis para desenvolver atividades nas mais variadas áreas, incluindo turismo, esportes, cultura, gastronomia e outras, com potencial para realizar eventos na área da literatura, por meio do Museu de Território “Caminhos Drummondianos”, Memorial Carlos Drummond de Andrade e outras estruturas, além de vários talentos na área da música e em outras artes.

Resumindo: não nos faltam potenciais, mas precisamos organizar melhor todas essas atividades para que Itabira se desenvolva em todas as áreas. Até a próxima!

* Nivaldo Ferreira dos Santos é Mestre em Administração Pública, Professor, Líder Comunitário e Servidor Público

comentários