Memorial Vale abre exposição “Penumbra”, do artista plástico Ângelo Venosa

Mostra fica em cartaz de 26 de setembro a 25 de novembro, com obras inéditas em Belo Horizonte. Esta é a primeira vez que o artista utiliza a projeção de sombras como elemento de seu trabalho e traz curadoria de Vanda Klabin

Um dos principais expoentes do cenário cultural contemporâneo, o artista plástico paulistano Ângelo Venosa desembarca em Belo Horizonte com a exposição “Penumbra”. De 26 de setembro a 25 de novembro deste ano, o Memorial Minas Gerais Vale – no Circuito Liberdade, recebe um conjunto de esculturas que desafia o olhar do espectador no decorrer de toda mostra. A exposição alinha peças que combinam o antagonismo entre a artificialidade e o orgânico, peso e leveza. A mostra traz um conjunto de obras inéditas a Belo Horizonte: três grandes esculturas para galeria e outra para o Jardim do Memorial, além de uma série de obras de pequenas dimensões em madeira, tecido e/ou vidro. A visitação é gratuita, durante o horário de funcionamento do museu.
A relação entre a obscuridade e a claridade é explorada nas obras de Venosa. Crédito da foto: Felipe Amarelo.
“Ao mesclar obras de pequenas dimensões com outras de grande porte, Ângelo Venosa instiga por meio do estranhamento. O produto final é resultante da união de seu ímpeto criativo aliado às novas tecnologias, como o uso de impressoras 3D na confecção das esculturas. Para a exposição, o artista estabelece novos campos perceptivos e elege a sombra, com a sua misteriosa e suave irradiação, como a ordem constitutiva da realidade e que dinamiza a relação entre o campo da obscuridade e o da claridade, entre as áreas cheias e vazias”, sintetiza a curadora da mostra, Vanda Klabin.
A exposição gratuita ficará no Memorial Vale de 26 de setembro a 25 de novembro. Crédito da foto: Felipe Amarelo.
Com vasta experiência vinda de trabalhos artesanais, Ângelo Venosa abre outros horizontes de investigação e de pesquisas estéticas em “Penumbra”. Klabin ainda detalha que, para essa exposição no Memorial Minas Gerais Vale, o artista explora a equivalência entre as áreas cheias e vazias através da projeção de sombras nas superfícies arquitetônicas da instituição. Na medida em que esses trabalhos são desenvolvidos, as formas emergem e adquirem uma plasticidade inesperada. Toda uma noção de movimento se faz presente nessas sombras movediças, nas quais brotam as formas mais variadas e ambíguas, e essas zonas de indeterminação adquirem uma presença plástica que se constrói e se experimenta no próprio espaço.
Obras de pequenas dimensões em madeira, tecido e vidro também compõem a mostra. Crédito da foto: Ângelo Venosa.
A mostra esteve no Museu Vale em Vila Velha (ES), mas chega a Belo Horizonte com obras exclusivas como parte do Programa de Itinerância Cultural: uma iniciativa da Fundação Vale com patrocínio da Vale. O programa tem amplitude nacional e, por meio de uma ação integrada, prevê a troca de conteúdo artístico e cultural entre os quatro espaços culturais patrocinados pela Vale.
 
SERVIÇO

Memorial Vale abre exposição “Penumbra”, de Ângelo Venosa

Data: 26 de setembro a 25 de novembro 2018

Horário: terças, quartas, sextas e sábados, das 10h às 17h30, com permanência até 18h. Quintas, das 10h às 21h30, com permanência até 22h. Domingos, das 10h às 15h30, com permanência até 16h.

Local: Memorial Vale- Praça da Liberdade, 640, esq. Gonçalves Dias

 
Sobre a Vale

A Vale é uma mineradora global que tem como missão transformar recursos naturais em prosperidade e desenvolvimento sustentável. Líder mundial na produção de minério de ferro e níquel, tem sede no Rio de Janeiro e está presente em cinco continentes. Opera sistemas logísticos integrados, com cerca de 2 mil quilômetros de ferrovias, terminais marítimos e 10 portos, entre Brasil, Indonésia, Malásia e Omã. Comprometida com os mais altos níveis de governança, a Vale apoia 52 projetos sociais e culturais em 65 municípios brasileiros, por meio da Fundação Vale, e protege ou ajuda a proteger 8,5 mil km2 de áreas nativas no País.

 

comentários