Segunda rodada de negociações com a Vale “melou”, segundo Viana

A segunda rodada de negociações entre o Sindicato Metabase e a empresa Vale para discussão do Acordo Coletivo dos trabalhadores para o próximo ano “novamente melou” disse André Viana, presidente do Metabase.

A reunião aconteceu em Belo Horizonte nesta segunda (6) e terça-feira (7). A decepção e revolta dos diretores que estiveram presentes triplicaram e só fez aumentar a “vontade de tomar posições e elaborar ações mais drásticas”. André Viana disse que “a Vale pensa que não temos coragem de agir, que não temos coragem lutar, acha que ficaremos apenas no bla-bla-bla como muitos outros dirigentes sindicais estão fazendo.

Mas ela vai quebrar a cara, vai sim. Essa empresa verá do que somos capazes.” Carlos Estevam, o Cacá, vice-presidente do Sindicato disse que “foi perca de tempo esses dois dias de reunião, já que a empresa parecia “brincar” com a cara dos trabalhadores. Ainda de acordo com Cacá, “a perda salarial acumulada nos últimos anos é monstruosa e causa-nos indignação pela recusa da Vale em conceder ao menos o reajuste justo dos últimos anos. Sobre as cláusulas econômicas, a empresa fez uma proposta tão vergonhosa que rejeitamos na mesa de negociação.” Cacá Acrescentou: “Pelos cálculos realizados, um dia de trabalho paga o mês inteiro de salário do trabalhador da Vale, isso é de dar nojo” finalizou.

Bruno Gomes, diretor de Imprensa e Comunicação, também presente na reunião disse que o próximo passo é, junto com o departamento jurídico do Metabase, discutir as próximas ações que serão tomadas. “Seremos radicais, duros. Tenho certeza que os trabalhadores e a sociedade itabirana ficarão surpresos com as nossas ações. Quem viver verá”. Finalizou Bruno Gomes.

A proposta oferecida e recusada pela diretoria do Sindicato foi:
Reajuste Salarial: 5%
Reajuste Cartão alimentação: 2,5%  (R$735,44 )
Horas in itinere: Retirada e inclusão do prêmio de assiduidade
Adicional noturno: Redução de 65% para 45 % mantendo o reajuste de 3,5%.

comentários