Dois são presos ao extrair minério irregularmente da Serra da Piedade

Localizada no município de Caeté, a Serra da Piedade, monumento natural tombado pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha-MG), teve parte de sua estrutura suprimida pela extração irregular de minério de ferro. O crime foi descoberto na tarde desta segunda-feira (12) pela Polícia Militar de Meio Ambiente. Dois homens identificados como proprietários do terreno foram presos pela corporação.

Militar à frente da ocorrência, o sargento Daniel Carvalho afirmou que a extração teve caráter significativo. Ao todo, a área extraída foi de 1.200 metros quadrados e ela era coberta de vegetação. Ao chegar no local, a corporação se deparou com cinco caminhões carregados com minério de ferro.

Segundo o sargento, caso sejam condenados, os presos podem responder por crime ambiental por crime de usurpação de bem da União. Somadas, as penas podem chegar aos seis anos de prisão.

A ocorrência ainda está em andamento e será encaminhada para a Polícia Federal.

Construção de hotel-fazenda

Ao serem abordados, os dois homens disseram estar fazendo terraplanagem para a construção de um hotel-fazenda ao pé da serra. Entretanto, a polícia desconfiou da versão apresentada por eles. “Não há qualquer autorização para que fosse construído esse empreendimento”, aponta.

Segundo o militare, há indícios de que os caminhões tivessem como destino a cidade de Sete Lagoas, na região metropolitana de Belo Horizonte, onde o material poderia estar sendo vendido.

Além dos dois homens, também estavam presentes no local cinco motoristas, um operador de máquina e um ajudante. Segundo o sargento, essas pessoas responderão, inicialmente, como testemunhas. “Eles nos disseram que foram até o local apenas para fazer um frete”, conta.

A reportagem entrou em contato com a Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Semad) e aguarda retorno. A Arquidiocese de Belo Horizonte, responsável pela área, também foi procurada pelo O TEMPO.

comentários