Duplicação da BR 381, remendo em pano velho

Por Mauro Andrade Moura

 

A BR 381 feita 1957, foi projeta para 1.000 veículos diários e os caminhões transportavam no máximo 10 toneladas, hoje passam mais de 20.000 veículos e a metade é de caminhões e os bi-trens transportam 40 toneladas.

 

O governo da época esqueceu que já havia o traçado iniciado para a ferrovia que partia de Belo Horizonte, passando por Itabira e findava em Peçanha, com túneis já abertos (um com duas frentes sem conexão no meio), com traçado mais plano e fora da Serra da Piedade.

 

Em 1976 fizeram ampliação em partes da rodovia abrindo uma segunda pista, equacionando o problema do excesso de veículos que já antecipava o grande problema atual.

 

Em 2005/2006 o DNER promoveu um paliativo nesta rodovia, retirou e substituiu partes do antigo asfalto,  porém a segunda pista foi transformada em acostamento e com o aumento exacerbado de veículos e muito por falta do uso da ferrovia, retroagimos a 1976 e com o problema piorado.

 

Agora vêm com esta de duplicação, o leilão dos trechos se arrasta há um ano e dos onze trechos, somente três foram liberados para o início das obras.

 

Diz-se que esta rodovia foi construída pelo modo de quilômetro feito, daí o excesso de curvas e voltas que ocasiona todo este transtorno no trânsito e as tragédias humanas diárias.

 

Esta rodovia é a mesma Fernão Dias, que parte de São Paulo – SP e está toda duplicada até Betim – MG, uma beleza para quem ali transita e no trecho de Belo Horizonte até Governador Valadares – MG, mal projetado e cuidado, temos de transpor as serras da Piedade, de João Monlevade e Antonio Dias, as quais, com seus trajetos montanhosos e em curvas, proporcionam o pavor contínuo em quem se vê obrigado a percorrê-lo.

 

Sendo esta região do Centro-Leste de Minas Gerais a que mais proporciona riquezas neste Estado, deveríamos ser mais bem tratados pelas administrações estadual e federal e assim ganharmos uma nova rodovia com novo traçado e mantendo o nome de sempre: -Fernão Dias, o grande bandeirante das esmeraldas.

comentários