Grupo Parangolé faz apresentação gratuita de espetáculo e esquetes teatrais Santa Maria de Itabira

As apresentações agendadas para o dia 12.07 (sexta), na Fundação Francisco de Assis, são abertas para a população santamariense e encerram o projeto Cordelizando que incentivou, de fevereiro a julho de 2019, a pesquisa e a produção da literatura de cordel com o envolvimento de cerca de 1.000 alunos e professores da rede pública dos municípios de Santa Maria de Itabira, Bugre, Córrego Novo e Santana do Paraíso.

No dia 12 de julho, sexta-feira, o Grupo Parangolé chega à última etapa do projeto Cordelizando, em Santa Maria de Itabira, com apresentação gratuita do espetáculo cênico-musical Cordéis dos Cafundó e de esquetes teatrais encenadas por alunos da rede pública do município. A abertura é às 19h na Fundação Francisco de Assis. Classificação indicativa: livre. Duração do evento: 90 minutos. Entrada gratuita. Mais informações para o público, no facebook e instagram: @cordeisdoscafundo. Este projeto é apresentado pelo Ministério da Cidadania, aprovado pela Lei Rouanet e é uma parceria entre o Parangolé, a Cenibra, e neste semestre de 2019, as Secretarias Municipais de Educação das cidades de Santa Maria de Itabira, Bugre, Córrego Novo e Santana do Paraíso, com apoio da Univale.

O único país em que a cultura do cordel ainda se mantém viva é o Brasil. Estima-se mais de 30 mil títulos publicados. “Na primeira metade do século, o cordel era o jornal do sertão que levava os temas sociais e políticos para os grotões, à maneira popular. O cordelista é uma espécie de cronista de seu tempo. Apesar dessa força vir e estar no nordeste, temos até hoje vários desses poetas espalhados pelo país”, contextualiza Cascão, fundador do Grupo Parangolé.

Com 20 anos de atuação na arte-educação, o Grupo Teatral Parangolé Arte Mobilização (Belo Horizonte – MG) propõe, a partir do projeto Cordelizando, difundir a literatura de cordel para o contexto escolar. “A perspectiva de apresentar a poesia e a força dessa forma de narrar, sua história, as técnicas de criação e declamação, despertando de forma lúdica o gosto pela escrita e a leitura é algo revolucionário. Agora, se na ponta sairão cordelistas, só a experiência dirá”, diz Cascão.

O projeto começou em fevereiro deste ano nos municípios de Santa Maria de Itabira, Córrego Novo, Bugre e Santana do Paraíso. Além de realizar apresentações do espetáculo Cordéis dos Cafundó possibilitando a fruição artística, cada cidade recebeu oficinas pedagógicas de criação de cordel para os professores (fevereiro e maio), com a assessora pedagógica Sirlene Alves e o artista Cascão, e de teatro para os alunos (junho), ministradas pelo ator do Parangolé, Lucílio Gomes. “Durante todo o semestre, a literatura de cordel começou a fazer parte do cotidiano dos alunos, nas aulas de português, história e geografia, integrando professores, assessores pedagógicos, diretores e secretarias de educação locais”, explica.

Os cordéis criados em sala de aula foram roteirizados pelo Parangolé e transformados em pequenas esquetes que serão encenadas pelos alunos no evento final, em julho. Para Cascão, “apesar da arte do cordel ter 150 anos de história enquanto literatura escrita e séculos de literatura oral, quando a gente se defronta com professores, alunos e mesmo grupos artísticos, fica evidente a sua atualidade e potência, pois estamos falando de um imaginário que as pessoas já trazem, às vezes sem saber. O que fazemos é proporcionar o reencontro delas com algo que é a identidade do povo brasileiro”, explica o poeta que, há seis anos, já realizou o projeto nos municípios de Belo Oriente, Cachoeira Escura, Peçanha, Naque, Governador Valadares, Coronel Fabriciano e Belo Horizonte. O artista se apresenta em “Cordéis dos Cafundó” acompanhado dos músicos Débora Costa (percussão), Thiago Gazzineli (sanfona) e Christiano de Souza (violão/ baixo).

Para o segundo semestre, está prevista a realização do projeto nas cidades de Coroaci, Sabinópolis, São Domingos do Prata e Santo Antônio do Itambé.

ESPETÁCULO CORDÉIS DOS CAFUNDÓ

O espetáculo tem como fio condutor o personagem vivido por Cascão, um caixeiro viajante que chega a uma cidade grande e vê confrontadas suas noções de mundo com a overdose urbana e tecnológica da metrópole. Para sobreviver, ele vende raízes, brinquedos e folhetos de cordel. O espetáculo combina literatura, teatro e música na declamação dos poemas de autoria de Cascão e de autores lendários do romanceiro brasileiro. A peça cênico-musical tem como foco o público pré-adolescente, adolescente e jovem visando melhorar o desempenho escolar e a sociabilidade através da arte. O espetáculo tem atuação, direção e dramaturgia de Cascão.

EQUIPE DO PROJETO CORDELIZANDO

Rodolfo Cascão – Diretor Artístico | Lucílio Gomes – Oficinas de Teatro | Flávia Mafra – Coordenadora Geral | Sirlene Alves – Coordenadora Pedagógica | Sam Luca – Produtor Executivo | Poliana Tuchia – Assessoria Online | Beatriz França – Assessoria de Imprensa | Maíra Campos – foto e vídeo | Comum – Programação visual | Christiano Di Souza, Thiago Gazzineli, Augusto Cordeiro, Sara Assis e Débora Santos – músicos

Flora Guerra – técnica de som | Flávia Mafra – técnica de luz | Rafael Fares e Humberto Mundim – técnicos de projeções | Ítalo Souza – cenotécnico | Rafael Pisani – intérprete de libras | Proartminas – gestão e prestação de contas

 

SOBRE CASCÃO

O contador de histórias Rodolfo Alexandre Cascão Inacio é mais conhecido como Cascão. Reside há 25 anos em Minas Gerais. Cascão é poeta, ator, diretor, dramaturgo, contador de causos, cordelista e há mais de 30 anos pesquisa e milita com o teatro e a cultura popular. Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais – 1992/95 Produtor cultural, autodidata, participou em dezenas de cursos e seminários de teatro, artes circenses, teatro de bonecos, mímica, produção cultural, educação ambiental e comunicação social, e publicou diversos livros. É também consultor autônomo em mobilização social e arte educação prestando assessoria a órgão públicos e entidades sociais e privadas. Desde 2012 se apresenta em diversas praças e teatros de diversas partes do Brasil, com destaques para cidades de Minas, Brasília (DF) e Barcelona (Espanha).

 

GRUPO TEATRAL PARANGOLÉ ARTE MOBILIZAÇÃO

O PARANGOLÉ ARTE MOBILIZAÇÃO é um grupo formado por profissionais da área de educação popular, teatro, música e artes plásticas. Desde 1999 vem desenvolvendo trabalhos de criação artística com propósitos culturais e educativos, o que resultou na ampliação de seus trabalhos enquanto grupo de pesquisa, tendo fundamentalmente como mote de sua investigação a cultura popular, os direitos humanos e temas sócio-ambientais como lixo, água e o meio ambiente. Arte Mobilização é ao mesmo tempo estética, arte, comunicação e ação cultural. É uma arte que tem a intencionalidade de mobilizar a sociedade em prol das grandes causas. É pensar a arte em função da vida, do cotidiano e da cidadania.

 

SERVIÇO

Projeto Cordeis dos Cafundó (evento final)
SANTA MARIA DE ITABIRA
12 de julho, sexta-feira – 19h
– Apresentação de esquete teatral dos alunos
– Apresentação do espetáculo Cordéis dos Cafundó
Local: Fundação Francisco de Assis (av. Israel Pinheiro, 220, Santa Maria de Itabira)
Classificação indicativa: Livre | duração do evento final: 90 minutos | entrada gratuita

+Informações para o público: https://www.facebook.com/cordeisdoscafundo/

https://www.instagram.com/cordeis_cafundo/

Este projeto foi aprovado pela Lei Rouanet e é uma parceria entre o Parangolé, a Cenibra ,e neste semestre de 2019, nos municípios de Santa Maria de Itabira, Córrego Novo e Santana do Paraíso, com apoio da Univale.

comentários