Itabira de Mato Dentro: Perigo à espreita

Por José Norberto

As nossas comunidades itabiranas mais afastadas do centro têm acumulado índices de mortalidade jamais visto em nosso anuário…

“…Esse é o nosso mundo
O que é demais nunca é o bastante
E a primeira vez
É sempre a última chance
Ninguém vê onde chegamos
Os assassinos estão livres
Nós não estamos…” [Legião Urbana]

A onda de assassinatos em série tem promovido um verdadeiro cenário de desilusão para aqueles que se vêm envolvidos nesse contexto tétrico.

No país, fechamos a conta com mais de 56 mil morte vítimas de assassinato, enquanto aqui, em nosso município, a contribuição para o rancking aproximou ao índice algo em torno de 50 mortes e já na abertura do ano, no mês de janeiro, caminhamos para a décima morte.

No andar da carruagem haja justiça para tanta carnificina, que ante a fragilidade da mesma, a vida continua e viver acaba se tornando na bobagem de muitos, um perigo constante, eminente. 

comentários