População atingida pelo rompimento da barragem, em Brumadinho, recebe atendimento prioritário durante pandemia de COVID-19

Os diversos projetos sociais apoiados pela Vale em Córrego do Feijão tiveram que se adaptar às regras de isolamento social impostas pelas autoridades públicas diante da pandemia de COVID-19. As aulas, antes presenciais e com frequência muitas vezes diária, agora ocorrem remotamente, com a ajuda de aplicativos como o Instagram e o WhatsApp.Projetos como o Comfio, que usa o bordado como ferramenta de terapia e atende a cerca de 20 mulheres em Brumadinho – esposas, mães e filhas que perderam entes queridos no rompimento da barragem I – tivessem que se adaptar à nova realidade.

Projeto busca usar o bordado para resgate da autoestima das comunidades

Além do apoio à continuidade dos projetos, a Vale segue empenhada em apoiar o Poder Público no combate à pandemia. Para isso, está repassando recursos para a construção, ampliação e reforma de hospitais, além de doar kits de equipamentos de proteção individual (EPIs) aos governos federal, estaduais e municipais. São ações importantes para proteger os profissionais da área de saúde que estão na linha de frente na luta contra o coronavírus.

Combate à pandemia
Em âmbito federal, foram adquiridos 5 milhões de testes rápidos e 15,8 milhões de EPIs para o governo brasileiro. Os itens estão chegando ao Brasil em vôos fretados da China e o Ministério da Saúde está definindo a divisão das doações entre os estados, de acordo com critérios técnicos.

Mais de R$ 543 milhões foram liberados por ordem judicial para utilização em ações de prevenção e combate à pandemia do Covid-19 em Minas Gerais, dentre os valores depositados em juízo pela Vale e bloqueados em ações judiciais relacionadas ao rompimento da barragem B1 da mina do Córrego do Feijão.


Empregados envolvidos nas ações de Reparação adotam cuidados de combate à pandemia

Para fortalecer o combate à pandemia em Brumadinho, a Vale acaba de doar 38 mil máscaras cirúrgicas descartáveis e 18 mil luvas ao Hospital Municipal João Fernandes do Carmo. Em 20 de março, já havia sido entregue uma primeira remessa de álcool em gel e pares de luvas.

Atendimento às comunidades
Devido à pandemia, os atendimentos presenciais dos profissionais de Relacionamento com Comunidade foram interrompidos, como forma de manter o isolamento social. Os atendimentos continuam sendo realizados, majoritariamente de forma remota – por telefone ou via online -, mas também presencialmente, em situações de necessidade, como por exemplo na requisição de transporte entre regiões ou de atendimentos médicos. Também seguem funcionando a Central de Atendimento (0800 031 0831) e o Alô Indenizações (0800 888 1182).

OUTRAS AÇÕES EM BRUMADINHO
Antes mesmo do rompimento da barragem, a Vale já possuía uma forte atuação em Brumadinho, com destaque à Córrego do Feijão, distrito onde residiam vários empregados e terceiros da empresa. Após o rompimento, muitos desses programas sociais foram ampliados e outros tiveram sua atuação direcionada para atendimento às famílias das vítimas. Abaixo, segue breve descritivo de tais ações da empresa em Brumadinho.

Fomento Econômico
– Desde o final de 2015, a empresa apoia a produção de alimentos agroecológicos nos quintais produtivos e na horta comunitária de Córrego do Feijão, gerando emprego e renda localmente;
– Atendendo à demanda dos moradores, a empresa apoiou a reabertura da mercearia no distrito, com nova direção, por meio de um processo de incubação de negócios locais. O empreendimento está em funcionamento desde o dia 18 de abril;
– Lançado em dezembro de 2019, o projeto do Território-Parque em Córrego do Feijão – iniciativa da empresa que pretende levar infraestrutura e oportunidade de geração de emprego e renda para a população local – segue seu cronograma de implementação, com previsão de entrega dos primeiros equipamentos públicos para dezembro;
– Assim como o Comfio, os demais projetos sociais em curso em Córrego do Feijão seguem ativos, agora com atividades remotas. A medida tem caráter preventivo, sendo reavaliada semanalmente, visando sua retomada presencial. As iniciativas possuem caráter sociocultural, como por exemplo a capacitação em oficial de pedreiro e jardinagem (Yara Tupynambá), aulas de músicas e reforço escolar (Batucabrum) e a ressignificação de vidas por meio de atividades em grupo (Kairós). O objetivo da Vale com estes projetos sociais é apoiar a população diretamente atingida pelo rompimento da barragem, em ações que resgatem a sua autoestima, auxiliando na retomada de suas rotinas e dando suporte à melhoria de sua qualidade de vida.

Unidade de Saúde da Família (esquerda) e creche (direita) em construção em Parque da Cachoeira

Infraestrutura
– Paralisado em 23 de março, atendendo às recomendações das autoridades de saúde, o transporte de passageiros entre Córrego do Feijão e Brumadinho foi retomado na quarta-feira, 22 de abril. Nos veículos disponibilizados pela Vale serão cumpridas medidas preventivas de combate à pandemia de COVID-19, como higienização reforçada e lotação restrita à metade de sua capacidade;
– Não sofreu alteração o serviço de transporte com motoristas via contato telefônico, para atender às demandas urgentes da comunidade;
– A manutenção de vias urbanas, como a capina, foi paralisada preventivamente, atendendo ao decreto municipal que definiu medidas de combate ao novo coronavírus. No entanto, no dia seis de abril o serviço foi retomado, após liberação pela prefeitura, permitindo, por exemplo a manutenção da grama replantada no campo de futebol do distrito.

Reparação Social
– A Vale repassou R$ 32 milhões à prefeitura municipal, para a ampliação do suporte psicossocial às famílias de Brumadinho. Somente em Córrego do Feijão, há 24 núcleos familiares sendo atendidos atualmente, através de visitas rotineiras de profissionais especializados;
– Há, ainda, profissionais de Referência da Família atuando na comunidade, de forma não exclusiva, prestando atendimentos aos atingidos.

comentários