Reciclagem em Itabira

Nivaldo Ferreira dos Santos*

Comentamos em textos anteriores da nossa coluna sobre o potencial econômico do aproveitamento e da destinação correta do lixo que produzimos e sobre os impactos sociais e ambientais gerados pelo modo como cuidamos dos resíduos gerados por nós mesmos, destacando a importância da coleta seletiva e da reciclagem de materiais. Hoje trazemos alguns exemplos de como podemos aproveitar melhor os resíduos, citando organizações, projetos e ações criadas em Itabira:

* SAVI – Sociedade Ambiente Vivo Itabira: entidade civil criada em 2005, realiza ações de educação ambiental e outras atividades com apoio do Ministério Público de Minas Gerais, Polícia Militar de Meio Ambiente e empresas privadas, tendo sido responsável durante um período pela gestão do Projeto “Mãe d’água”, executado em conjunto com o SAAE de Itabira, utilizando inclusive recursos do Governo Federal para recuperação de áreas degradadas e matas ciliares ao longo dos afluentes do Manancial Pureza, principal fonte de água do município de Itabira. Entre as ações destacadas pelos próprios integrantes da SAVI estão eventos comemorativos referentes às datas comemorativas ligadas ao Meio Ambiente e o Projeto “Reciclagem de óleo de cozinha” com produção de sabão e detergente ecológico, além da produção de sacolas e camisas ecológicas a partir da fibra de garrafas PET recolhidas pela entidade – alguns números relativos a esses trabalhos: em 2010 foram reciclados mais de 600 litros de gordura e entre 2014 e 2017 foram recolhidos do meio ambiente e recicladas mais de 160 mil garrafas PET;

* Ascarmarita – Associação dos Catadores de Recicláveis e Materiais Reaproveitáveis de Itabira: criada em 2009, essa associação teve atuação destacada nos anos seguintes e seus integrantes cogitaram a formação de uma cooperativa, mas não conseguiram dar continuidade aos trabalhos. Atualmente existem vários catadores de materiais recicláveis que trabalham de maneira informal e algumas empresas que atuam na área, além dos chamados “topa-tudo”, mas ainda falta uma organização mais adequada do setor… Neste ponto é importante lembrar também a conclusão da dissertação de Mestrado em Engenharia Ambiental de Sarah Fraga Silveira (“Avaliação da gestão de resíduos sólidos urbanos no município de Itabira (MG): uma ênfase na coleta seletiva” – UFOP, 2018), citada no texto anterior dessa nossa coluna, onde uma das sugestões é exatamente “verificar a viabilidade da implantação da cooperativa de catadores”;

* ITI – Igualdade, Transformação e Inovação Social: organização não-governamental, sem fins lucrativos, fundada oficialmente em 2009, originou-se do projeto “Tecendo Itabira”, criado pelo estilista Ronaldo Silvestre Silva alguns anos antes. Realiza há vários anos cursos, exposições e outras atividades como produção de roupas, bolsas e acessórios com retalhos de tecidos e outros materiais, além de objetos decorativos e pratos da culinária local e regional. Nos últimos anos tem ampliado suas ações e vem se destacando em âmbito regional, estadual, nacional e até mesmo internacional em eventos da área de moda e parcerias com artistas e empresas da área de comunicação social. Atualmente o ITI mantém atividades ligadas à costura, moda, artesanato, iniciação profissional e os projetos “Gastronomia Social” e “Costurando Vidas”, que são desenvolvidos em parceria com produtores rurais, artesãos, Ministério Público, Prefeitura, empresas e outras entidades.

Em Itabira há várias outras entidades que trabalham com recolhimento, reciclagem e aproveitamento de materiais recicláveis ou cursos de artesanato e outras atividades afins… Nos próximos textos continuaremos essa prosa. Até breve!

 

VER, TER COMPAIXÃO E CUIDAR

Recebi há poucos dias algumas mensagens com várias referências à Campanha da Fraternidade 2020, que tem o tema “Fraternidade e Vida: Dom e Compromisso” e o lema “Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” – esse lema tem origem nos versículos 33 e 34 do capítulo 10 do Evangelho escrito por Lucas.

Através da Campanha da Fraternidade, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (Igreja Católica) convida a sociedade a refletir sobre o significado da vida em suas diversas dimensões: pessoal, comunitária, social e ecológica. Entre os materiais produzidos para a campanha destacam-se: 

* o cartaz de divulgação com uma ilustração que lembra a figura da Irmã Dulce, declarada santa pela Igreja Católica em outubro de 2019, junto a algumas crianças, uma mulher idosa, um jovem apoiado em uma muleta e mais duas pessoas e um cachorro, tendo ao fundo alguns casarões do “Pelourinho”, conhecido cartão-postal de Salvador(BA), onde ela viveu e desenvolveu vários projetos sociais que tinham como principal objetivo cuidar das pessoas necessitadas;

* o texto-base da Campanha da Fraternidade 2020, no qual são apresentados e discutidos cada um dos três pilares da campanha: Ver, Compadecer e Cuidar. Esses pilares correspondem às ações citadas no lema da campanha, que tem origem em dois versículos da parábola do “bom samaritano”, que faz parte do texto do Evangelho escrito por Lucas.

Conforme escrito no texto-base, “a Irmã Dulce cuida”. E o texto traz à tona várias discussões sobre o crescimento da violência, da agressividade e da destruição em nossa sociedade e no mundo de uma forma geral, propondo uma mudança de atitude em busca de fraternidade, paz e amor entre as pessoas e mais cuidado com a natureza e com tudo que faz parte do mundo que nos cerca, lembrando também da Carta Encíclica ‘Laudato si’ do Papa Francisco, líder da Igreja Católica, que trata “sobre o cuidado da casa comum” de todos nós, publicada em 24 de maio de 2015, com várias citações do “Cântico das Criaturas”, canção religiosa composta por Francisco de Assis, conhecido como santo defensor da vida e da natureza.

Portanto, a Campanha da Fraternidade pretende também estimular a solidariedade e a tomada de atitude das pessoas e da sociedade diante dos problemas, lembrando a Irmã Dulce, citada também como “Santa Dulce dos Pobres”, que era uma mulher frágil no corpo mas uma fortaleza no “testemunho irrefutável de que a vida é dom e compromisso” e no amor ao próximo, pregado por praticamente todas as religiões e exemplificado na parábola do “bom samaritano”. Até a próxima!

* Nivaldo Ferreira dos Santos é Mestre em Administração Pública, Professor, Líder Comunitário e Servidor Público

comentários