Quadrilha que produzia remédio ‘milagroso’ para emagrecer é desmantelada pela PF

Medicamento comercializado como fitoterápico carregava na fórmula compostos oriundos da Sibutramina e da Fluoxetina, remédios vendidos apenas com prescrição médica no Brasil

Remédios eram produzidos em laboratórios ilegais e clandestinos em Uberlândia no Triângulo Mineiro
Foto: Polícia Federal/Divulgação


Medicamento comercializado como fitoterápico carregava na fórmula compostos oriundos da Sibutramina e da Fluoxetina
Foto: Polícia Federal/Divulgação

Emagrecer rápido e com saúde era a principal promessa de um medicamento produzido por uma quadrilha com atuação em Minas Gerais, São Paulo e Bahia, e que acabou desmantelada nesta terça-feira (29) durante uma operação da Polícia Federal (PF). O remédio fabricado em Uberlândia no Triângulo Mineiro era vendido como fitoterápico, mas trazia em sua fórmula compostos ligados à Sibutramina e à Fluoxetina, este segundo um medicamento ansiolítico que como o primeiro requer prescrição médica para compra na farmácia. A produção do medicamento acontecia em laboratórios ilegais, e a polícia acredita que até suspeitos infectados com o novo coronavírus tenham participado da fabricação destes remédios.

Cerca de seis meses de investigação levaram a Polícia Federal à operação “Work Out”. Sabe-se que até este início de tarde 14 mandados de prisão e outros 31 de busca e apreensão puderam ser cumpridos contra os suspeitos ligados à quadrilha em Belo Horizonte e nas cidades de Uberlândia, Araxá e Ituiutaba em Minas Gerais, nos municípios de São Paulo e Cajamar no estado paulista e também em Livramento de Nossa Senhora e Rio das Contas na Bahia. Acredita-se que os suspeitos sejam responsáveis por um patrimônio estimado em R$ 10 milhões – estes bens foram por eles ocultados, mas agentes conseguiram sequestrá-los.

Vendido como fitoterápico, sinônimo para medicamentos à base de ervas e plantas medicinais, o remédio era anunciado como um milagre para quem luta contra a balança e prometia ser a solução para um emagrecimento rápido. A fabricação era feita em laboratórios clandestinos e sem respeito às regras sanitárias. Os suspeitos acrescentavam à fórmula do remédio compostos perigosos à saúde como a Sibutramina – conhecido remédio para emagrecer no Brasil – e a Fluoxetina, normalmente prescrita para tratamento de quadros de depressão e ansiedade que, em alguns pacientes, facilita o emagrecimento.

Em nota encaminhada à reportagem, a Polícia Federal declarou que alguns dos responsáveis pela manipulação do remédio milagroso estavam infectados com o novo coronavírus, o que não impediu a continuidade da produção. Os mandados expedidos pela 5ª Vara de Uberlândia puderam ser cumpridos nesta manhã e os suspeitos vão responder por lavagem e ocultação de bens, organização criminosa e crime contra a saúde pública. Condenados, podem cumprir até 33 anos de reclusão.

O TEMPO

comentários